Avaliação de cultivares de soja quanto à tolerância ao estresse hídrico em substrato contendo polietileno glicol - DOI: 10.4025/actasciagron.v30i2.1731

Leandra Regina Texeira, Alessandro de Lucca e Braccini, Decio Sperandio, Carlos Alberto Scapim, Ivan Schuster, Joselaine Viganó

Resumo


O trabalho teve por objetivo avaliar genótipos de soja quanto à tolerância ao estresse hídrico, em substrato embebido com polietileno glicol (PEG 6000). Foram utilizadas sementes armazenadas por um ano, em condições não-controladas de laboratório das cultivares: CD 201, CD 202, CD 204, CD 205, CD 206, CD 208, CD 215, CD 216, Embrapa 48, BRS 132, BRS 184 e BRS 212. As avaliações consistiram em submeter às sementes aos testes de germinação, classificação do vigor das plântulas, comprimento e biomassa seca das plântulas, em condição de estresse hídrico, utilizando dois níveis de potencial osmótico (zero e -0,1 MPa). As cultivares foram agrupadas em diferentes classes de tolerância à seca, em razão da redução percentual nas características avaliadas {% Redução = [1-(Germinação ou Vigor em PEG 6000 / Germinação ou Vigor em água)] x 100}, pela técnica de análise de agrupamento, segundo o método hierárquico do vizinho mais próximo. Os genótipos de soja apresentaram comportamento diferenciado quanto à tolerância à condição de estresse hídrico. A cultivar Embrapa 48 apresentou a maior tolerância à seca. Comparando os resultados obtidos pela análise multivariada e pelo método de agrupamento de Scott-Knott, observou-se boa concordância entre os dois métodos na constituição dos grupos. O método utilizado e o procedimento estatístico adotado permitiram diferenciar as cultivares de soja em um curto período de tempo

Palavras-chave


Glycine max (L.) Merrill; sementes; potencial osmótico; germinação; estresse hídrico

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actasciagron.v30i2.1731

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

ISSN: 1679-9275 (impresso) e 1807-8621 (on-line) e-mail: actaagron@uem.br