Influência da primeira alimentação na larvicultura e alevinagem do yamú Brycon siebenthalae (Characidae) - DOI: 10.4025/actascianimsci.v25i1.2092

Víctor Atencio-García, Evoy Zaniboni-Filho, Sandra Pardo-Carrasco, Alfredo Arias-Castellanos

Resumo


Para avaliar a influência da primeira alimentação na alevinagem do yamú, Brycon siebenthalae, no Instituto de Acuicultura/Universidad de Los Llanos (Villavicencio, Colômbia), foram desenvolvidos dois experimentos. No experimento 1, testaram-se, durante vinte e quatro horas, diferentes tipos de alimento vivo como primeira alimentação das pós-larvas (PL) de yamú: náuplios de Artemia sp. (NA), zooplâncton silvestre (ZS) e larvas de pirapitinga (LP) (Piaractus brachypomus). No tratamento controle as pós-larvas foram mantidas em jejum. O alimento que proporcionou melhores resultados em ganho de peso e comprimento total foi larvas de pirapitinga (p < 0,05). No experimento 2, durante 15 dias, comparou-se o desempenho na alevinagem de PL - estocadas imediatamente em viveiros após início da alimentação exógena - com aquelas estocadas depois de receber manejo da primeira alimentação com larvas de pirapitinga. Ao final da alevinagem, a sobrevivência do tratamento submetido ao manejo da primeira alimentação foi maior (74,1%) quando comparado com aquele que não recebeu esse manejo (13,4%), indicando que o emprego de larvas de pirapitinga na primeira alimentação no yamú melhora o desempenho na alevinagem.

Palavras-chave


yamú; Brycon siebenthalae; larvicultura; alevinagem; primeira alimentação

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascianimsci.v25i1.2092



ISSN 1806-2636 (impresso) e ISSN 1807-8672 (on-line) e-mail: actaanim@uem.br