Atividade e estabilidade operacional de lipase imobilizada em fosfato de zircônio na ausência e presença de polietilenoglicol - DOI: 10.4025/actascitechnol.v28i2.1173

Adriano Aguiar Mendes, Bruno César Moreira Barbosa, Cleide Mara Farias Soares, Maria Lucia Caetano Pinto da Silva, Heizir Ferreira de Castro

Resumo


No presente trabalho, diferentes procedimentos de imobilização foram avaliados: adição direta da lipase em fosfato de zircônio (ZrP) e adição simultânea de lipase e agente estabilizante (polietilenoglicol, MM-1500) no mesmo suporte. A seleção desse aditivo foi baseada na sua compatibilidade com a lipase de Candida rugosa, conforme dados obtidos anteriormente empregando silica de porosidade controlada como suporte. A metodologia de imobilização da lipase em ZrP na presença de PEG-1500 forneceu derivados imobilizados mais ativos (310,6 U mg-1) quando comparados com aqueles obtidos sem adição de PEG-1500 (162,8 U mg-1), proporcionando elevada recuperação da atividade oferecida na imobilização (88,7%). Nos testes catalíticos efetuados em meio orgânico (síntese de butirato de butila), foi também constatado um melhor desempenho dos derivados imobilizados obtidos na presença de PEG, em termos de atividade e estabilidade operacional. Esse resultado pode ser atribuído ao recobrimento da enzima pelo aditivo que provavelmente aumentou o acesso do substrato ao sítio ativo da enzima

Palavras-chave


lipase; imobilização; fosfato de zircônio; polietilenoglicol

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascitechnol.v28i2.1173





ISSN 1806-2563 (impresso) e ISSN 1807-8664 (on-line) e-mail: actatech@uem.br

  

Resultado de imagem para CC BY