Estabilidade dos corantes Tartrazina e Amarelo Crepusculo em refrigerantes - DOI: 10.4025/actascitechnol.v27i2.1451

Indianara Ostroski, Reinaldo Aparecido Bariccatti, Cleber Antonio Lindino

Resumo


Estudou-se a estabilidade dos corantes alimentícios sintéticos tartrazina e amarelo crepúsculo em relação à intensidade de radiação na região do ultravioleta e do visível, bem como a influência do pH e de outros aditivos comumente presentes em produtos alimentícios. Foram realizadas leituras periódicas do espectro de absorção nos comprimentos de onda entre 700 e 190 nm para verificar alterações químicas nos corantes estudados. No caso de refrigerantes em embalagem de PET verificou-se a relação entre luz incidente e luz transmitida pela embalagem, estabelecendo a sua função como filtro a determinadas radiações luminosas. Os dados obtidos com os corantes nas amostras de refrigerantes foram comparados com os dados obtidos com os corantes em solução. Constatou-se que em pH mais ácido há um aumento na velocidade de degradação dos corantes, do mesmo modo que na presença de citratos ou ascorbatos. A presença de benzoatos retarda o processo de degradação dos corantes

Palavras-chave


corantes artificiais; pH; aditivos; degradação

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascitechnol.v27i2.1451





ISSN 1806-2563 (impresso) e ISSN 1807-8664 (on-line) e-mail: actatech@uem.br

  

Resultado de imagem para CC BY