Adaptação de métodos semi-empíricos para estimar capacidade de carga de estacas de pequeno diâmetro no solo de Londrina, Estado do Paraná - DOI: 10.4025/actascitechnol.v27i2.1477

Miriam Gonçalves Miguel, Daniel Fermino da Silva, Gustavo Garcia Galego Campos, Maycon André de Almeida, Antonio Belincanta

Resumo


A cidade de Londrina, Estado do Paraná, possui um perfil geotécnico constituído de uma camada superficial de solo argilo-siltoso, poroso, laterítico e muitas vezes colapsível, que se estende até a profundidade máxima de 12 metros. As estacas utilizadas em obras de pequeno a médio porte se encontram totalmente embutidas nesta camada, sofrendo a influência de seu comportamento laterítico e colapsível. Os métodos clássicos brasileiros de estimativa de capacidade de carga de estacas tornam-se conservadores, frente aos resultados reais, quando aplicados em solos lateríticos e, contra a segurança, quando aplicados em solos colapsíveis, isto é, na condição crítica ao colapso. Este trabalho avalia os coeficientes de ajuste das resistências de ponta e ao atrito lateral para esses métodos, no caso de estacas apiloadas, sendo estes coeficientes obtidos pela retro-análise de resultados de provas de carga estática à compressão, realizadas no Campo Experimental de Engenharia Geotécnica da Universidade Estadual de Londrina

Palavras-chave


capacidade de carga; estacas de pequeno diâmetro; solos lateríticos

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascitechnol.v27i2.1477





ISSN 1806-2563 (impresso) e ISSN 1807-8664 (on-line) e-mail: actatech@uem.br

  

Resultado de imagem para CC BY