Composição química, perfil de ácidos graxos e quantificação dos ácidos α-linolênico, eicosapentaenóico e docosahexaenóico em vísceras de tilápias (Oreochromis niloticus) - DOI: 10.4025/actascitechnol.v27i1.1501

Nilson Evelázio de Souza, Makoto Matsushita, Maria Regina Bueno Franco, Ivanor Nunes do Prado, Jesuí Vergílio Visentainer

Resumo


Foi avaliada a composição química de vísceras de tilápias (Oreochromis niloticus) criadas em cativeiro Os teores de umidade, cinza, proteína bruta e lipídios totais foram de 64,4%; 1,3%; 6,3% e 18,0%, respectivamente, caracterizando alta concentração de lipídios totais em relação a outros resíduos de peixes. Foram identificados 49 ácidos graxos, sendo majoritários os ácidos: oléico, (32,8%), seguido do palmítico, (19,9%) e linoléico, (18,2%). As razões entre n-6/n-3 e ácidos poliinsaturados/saturados foram de 5,5 e 0,9, respectivamente. As quantificações dos ácidos graxos alfa-linolênico, eicosapentaenóico e docosahexaenóico, em mg/g de lipídios totais, foram de 10,4, 1,4 e 9,3, respectivamente. O elevado teor de lipídios totais das vísceras contribuiu significativamente para as quantidades de ácidos graxos n-3. Todos os parâmetros analisados foram satisfatórios sob o ponto de vista nutricional e neste sentido as vísceras de tilápias poderão ser utilizadaa para alimentar peixes ou outros animais.

Palavras-chave


ácidos graxos; DHA; EPA; LNA; tilápias; vísceras

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascitechnol.v27i1.1501





ISSN 1806-2563 (impresso) e ISSN 1807-8664 (on-line) e-mail: actatech@uem.br

  

Resultado de imagem para CC BY