Remoção de íons de cobre de aguardente utilizando carvão ativo e resinas de troca iônica - doi: 10.4025/actascitechnol.v33i1.7751

Leo Kunigk, Maria Célia Reis dos Santos, Cynthia Jurkiewicz

Resumo


A aguardente é a bebida fermento-destilada mais importante no Brasil. Caso a concentração de cobre (Cu2+), presente na aguardente, fosse inferior a 2,0 mg L-1, ela poderia ser exportada para diversos países europeus apesar da Legislação Brasileira permitir um teor de cobre em aguardente igual ou inferir a 5,0 mg L-1. Este trabalho mostrou que a aguardente contaminada com esses íons em concentrações de 4,0; 7,0 e 9,0 mg L-1 pode ser recuperada utilizando tanto carvão ativo como resinas de troca iônica, podendo reutilizar estes materiais adsorventes. Quando a concentração de Cu2+ é igual a 9,0 mg L-1, o carvão ativado pode ser reutilizado até três vezes e as resinas de troca iônica podem ser reutilizadas até sete vezes.

Palavras-chave


aguardente de cana de açúcar; íons metálicos; carvão ativo; resinas de troca iônica

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascitechnol.v33i1.7751





ISSN 1806-2563 (impresso) e ISSN 1807-8664 (on-line) e-mail: actatech@uem.br

  

Resultado de imagem para CC BY