Biossorção de níquel e cromo de um efluente de galvanoplastia utilizando alga marinha pré-tratada em coluna - DOI: 10.4025/actascitechnol.v31i2.864

Márcia Teresinha Veit, Edson Antonio da Silva, Márcia Maria Fagundes-Klen, Célia Regina Granhen Tavares, Gilberto da Cunha Gonçalves

Resumo


Este trabalho teve por objetivo o estudo da biossorção dos íons cromo e níquel presentes no efluente do processo de uma indústria de galvanoplastia, utilizando como biossorvente a biomassa de alga marinha pré-tratada Sargassum filipendula. As condições de operação da coluna foram: massa de biossorvente de 8 g, pH do efluente de alimentação 3,85, temperatura de 30ºC, vazão de 6 mL min.-1 e concentrações iniciais de alimentação (cromo+níquel) de 7,12 e 3,66 meq L-1. Foi empregado um modelo matemático para representar a dinâmica da biossorção em coluna de leito fixo. O modelo da isoterma multicomponente de Langmuir (qm= 2,78 meq g-1, bCr = 0,85 L meq-1, bNi = 0,08 L meq-1) foi utilizado para representar os dados de equilíbrio da coluna e para simular a dinâmica de biossorção dos íons. Os resultados da simulação demonstraram que o modelo matemático empregado foi capaz de descrever satisfatoriamente a complexa dinâmica de biossorção dos íons presentes no efluente.

Palavras-chave


biossorção; leito fixo; alga marinha; sistema binário; modelagem; efluente

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascitechnol.v31i2.864





ISSN 1806-2563 (impresso) e ISSN 1807-8664 (on-line) e-mail: actatech@uem.br

  

Resultado de imagem para CC BY