Carragenana da epífita Hypnea musciformis obtida do cultivo experimental de Solieria filiformis em Flecheiras, Estado do Ceará, Brasil - doi: 10.4025/actascitechnol.v33i2.9096

José Ariévilo Gurgel Rodrigues, Ianna Wivianne Fernandes de Araújo, Gabriela Almeida de Paula, Ticiana de Brito Lima, Érika Façanha Bessa, Norma Maria Barros Benevides

Resumo


O cultivo da rodofícea Solieria filiformis vem sendo desenvolvido na praia de Flecheiras, Estado do Ceará, como perspectiva de utilização sustentável do recurso para biotecnologia, mas o crescimento de epífitas sobre a espécie compromete seu bom crescimento. Desta forma, avaliou-se a eficiência de duas metodologias (M I e M II) no isolamento da Kappa-carragenana (κ-CAR) da alga marinha vermelha Hypnea musciformis. A κ-CAR foi obtida mediante digestão proteolítica (M I) ou água quente (80°C) (M II). Os extratos foram analisados quanto à sua composição química, seguido por cromatografia de troca iônica em coluna de DEAE-celulose usando um gradiente de NaCl. A atividade anticoagulante foi avaliada pelo teste do tempo de tromboplastina parcial ativada (TTPA), usando plasma humano normal e heparina (HEP) padrão (193 UI mg-1). A diferença nos rendimentos foi 4,28 ± 0,26%% (p < 0,05). O menor teor de sulfato foi obtido no M I (17,00%) quando comparado ao M II (26,30%) e diferentes perfis cromatográficos foram observados entre os métodos. O M I demonstrou ser eficiente na obtenção de κ-CAR anticoagulantes (2,67 UI mg-1), enquanto o M II é alternativo para indústria de alimentos. Os resultados sugerem que o método de obtenção da κ-CAR da rodofícea H. musciformis a ser empregado depende do critério de utilização na indústria.

Palavras-chave


Rodofíceas; polissacarídeos sulfatados; métodos de extração; teste do TTPA

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascitechnol.v33i2.9096





ISSN 1806-2563 (impresso) e ISSN 1807-8664 (on-line) e-mail: actatech@uem.br

  

Resultado de imagem para CC BY