Determinação da curva volume versus duração por meio da distribuição do valor extremo generalizada para estimativa do volume de espera em reservatórios - DOI: 10.4025/actascitechnol.v29i1.91

Agnaldo Passolongo Preti, Manoel Moisés Ferreira de Queiroz, Benedito Martins Gomes, Marcio Antonio Vilas Boas, Ajadir Fazolo, Vanderlei Rodrigues da Silva

Resumo


Nos reservatórios de usos múltiplo de água, existe conflito para o controle de cheias, principalmente para a geração de energia elétrica. Para controlar cheias é necessário um volume vazio capaz de absorver uma eventual cheia sem causar danos nas áreas à jusante. Por outro lado, para gerar energia é desejável alocar o menor volume de proteção possível, ao passo que para controlar cheias é desejável ter uma estimativa confiável da possibilidade do reservatório falhar quando um dado volume de proteção é alocado. O objetivo deste trabalho foi construir a Curva Volume x Duração, empregada para estimar volume de espera, através do ajuste das séries de volumes máximos afluentes usando a distribuição GEV e momentos LH. Foram usados volumes afluentes observados em várias estações fluviométricas de rios do estado do Paraná, Brasil. Todos os ajustes dos volumes máximos afluentes foram aceitos através do teste de qualidade de ajuste proposto por Wang (1998). A curva volume x duração foi adequadamente construída usando valores de volumes máximos afluentes observados em diferentes estações fluviométricas .

Palavras-chave


controle de cheias; eventos extremos; curva volume x duração; momentos LH rios do Paraná

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascitechnol.v29i1.91





ISSN 1806-2563 (impresso) e ISSN 1807-8664 (on-line) e-mail: actatech@uem.br

  

Resultado de imagem para CC BY