Nota de esclarecimento.

Quinta-feira, 11/10/2018 ocorreu um problema no sistema de periódicos da UEM. Em virtude disso, foi necessário restaurar um backup de 10/10/2018, quarta-feira 08h00.

Assim, solicitamos aos editores que revejam as atividades deste dia, pois elas foram perdidas e devem ser refeitas. Antecipadamente pedimos desculpas pelos transtornos, mas o problema foi alheio as nossas atividades.

Imagem para capa

Crítica à teoria da democracia institucionalista contemporânea

Pablo Thiago Correia de Moura

Resumo


A teoria da democracia de: Schumpeter, Sartori, Dahl e Bobbio, busca não identificar-se com a teoria clássica liberal, tentam superá-la em muitos aspectos, porém as características que compõe sua identidade de democracia são certamente alicerçadas nos mais clássicos liberais como: os Federalistas e Tocqueville, onde limita e restringe a democracia a um procedimento estrutural para formação de governos representativos e meramente formais do ponto de vista político-social. Essa social-democracia – ou seria liberal-democracia? – reformista, visa apenas defender o Estado liberal burguês com medidas e arranjos de caráter menos excludentes a parcelas da população, porém com o mesmo verniz elitista da antiga teoria.


Palavras-chave


democracia política, representação, cidadania, liberalismo

Texto completo:

PDF (baixado




Direitos autorais