Imagem para capa

Imprensa Integralista: uma discussão acerca de sua importância para a expansão da Ação Integralista Brasileira

Murilo Antonio Paschoaleto

Resumo


É reconhecido por todos, hoje, a importância central desempenhada pela imprensa na propaganda política. De acordo com Leal, a propaganda política moderna tem suas origens na Rússia, com a Revolução Russa, e na Alemanha, com o Nazismo. Já no Brasil, segundo Oliveira, a Ação Integralista Brasileira (AIB) foi o primeiro movimento/partido que utilizou a imprensa de forma sistemática e radical, pois até então, tais movimentos e partidos mantinham jornais muito mais informativos do que doutrinários. Assim, no que se refere à propaganda política no Brasil, podemos dizer que foram os camisas-verdes os primeiros a pô-la em prática.

A AIB foi um movimento de extrema-direita, surgido no conturbado período entre-guerras, que teve fortes influências fascistas. Como tais, utilizou largamente da imprensa visando a difusão de sua doutrina, a arregimentação de novos militantes e, ainda, estabelecer uma padronização tanto na difusão ideologia, quanto na estruturação do movimento.

No presente trabalho, utilizando como referência a bibliografia existente sobre o Integralismo e sobre a Imprensa Integralista, buscamos levantar elementos para uma discussão acerca de como a AIB utilizou os meios de comunicações visando atingir os objetivos anteriormente citados e, finalmente, refletir acerca da importância de tais meios para a expansão do movimento.


Palavras-chave


Integralismo; Fascismo; Jornais; Revistas.

Texto completo:

PDF (baixado




Direitos autorais