Nota de esclarecimento.

Quinta-feira, 11/10/2018 ocorreu um problema no sistema de periódicos da UEM. Em virtude disso, foi necessário restaurar um backup de 10/10/2018, quarta-feira 08h00.

Assim, solicitamos aos editores que revejam as atividades deste dia, pois elas foram perdidas e devem ser refeitas. Antecipadamente pedimos desculpas pelos transtornos, mas o problema foi alheio as nossas atividades.

Imagem para capa

Nos trilhos da modernidade: os efeitos da reforma Agache na circulação pelo Rio de Janeiro

Nilton Rodrigues Junior

Resumo


A reforma proposta pelo arquiteto Alfred Agache na década de 1930 para o Rio de Janeiro possibilitou uma nova forma de representar a cidade. O centro da capital federal antes ocupado por comerciantes, ambulantes, mendigos e moradores, foi sendo “limpo” para se tornar um espaço privilegiado para a circulação das representações sociais capitalistas. Antes desejado, o Centro passou a ser cercado por essas representações, construindo um imaginário citadino paradoxal de atratividade e de repulsa. Neste movimento, os dois elementos fundamentais foram a circulação, feita por meio dos bondes, e as novas formas de construir, principalmente as fachadas. O objetivo é refletir a respeito da circulação de pessoas pelo Centro e da formação das representações construídas.

Palavras-chave


Reforma urbana; Alfred Agache; Capitalismo; Bonde; Representações; Rio de Janeiro.

Texto completo:

PDF (baixado




Direitos autorais