Imagem para capa

As escolas e o dispositivo de infantilidade

Eduardo Alexandre Santos de Oliveira

Resumo


Afetada, sobretudo, pelo pensamento foucaultiano, Sandra Mara Corazza, em sua tese intitulada História da infantilidade: a-vida-a-morte e mais-valia de uma infância sem fim, cria o conceito de dispositivo de infantilidade, o qual consiste em estratégia de investimento dos indivíduos por meio de um juízo de infância. Essa ideia edificada, segundo a pesquisadora, considera as crianças como seres fracos, débeis e que, por isso, devem ser corretamente adultizados em três pontos: quanto ao seu desenvolvimento biológico, quanto ao uso de seu sexo e que sejam disciplinados para que se autogovernem: educadas por meio de tal conceito, permite-se com que se empreenda os pequenos enquanto população futura. Sendo que as crianças são educadas, sobretudo, no dispositivo escolar, o presente artigo investiga de que maneira as escolas operam esse dispositivo de infantilidade nas três modalidades mencionadas. Esse problema é verificado com auxílio de trabalhos de Bujes e Gadelha – que também são norteados pelo pensamento foucaultiano –  e, também, são apresentadas algumas considerações acerca de instituições escolares no estado do Paraná.

Palavras-chave


Corazza; dispositivo de infantilidade; escola; Foucault

Texto completo:

PDF (baixado




Direitos autorais 2017 Revista Espaço Acadêmico