Imagem para capa

Protecionismo, liberdade comercial e insurreição: a questão do comércio no Brasil – Holandês

Thiago Cavalcante dos Santos

Resumo


A presença holandesa no Pernambuco, entre 1630 – 1654, simboliza um dos eventos mais importantes da história colonial brasileira. Os impactos causados pelas invasões, registrados em documentos e analisados por uma gama de historiadores, suscitou importantes discussões a respeito das formas de poder, relações de trabalho, comparações administrativas e outros. O artigo em questão, fruto de uma pesquisa de doutorado, analisa a questão comercial no Brasil – Holandês. Sendo a Companhia das Índias Ocidentais, responsável em ocupar o Brasil, uma empresa de origem comercial e beligerante, como ela atuaria frente as vicissitudes causadas por um domínio permanente em um território de intenso fluxo comercial externo mediante a obstrução de comércio livre que causaria restrições a senhores de engenho, basilares na produção da matéria prima, e custos a manutenção de uma ampla estrutura a se manter? Tal questionamento é uma das chaves para compreender o processo insurrecional, visto que a partir de 1639 esperara-se uma safra de açúcar lucrativa, algo que causou forte especulação financeira após a proibição definitiva do comércio livre em 1638.


Palavras-chave


Brasil Holandês; Comércio; Pernambuco.

Texto completo:

PDF (baixado




Direitos autorais 2018 Revista Espaço Acadêmico