Nota de esclarecimento.

Quinta-feira, 11/10/2018 ocorreu um problema no sistema de periódicos da UEM. Em virtude disso, foi necessário restaurar um backup de 10/10/2018, quarta-feira 08h00.

Assim, solicitamos aos editores que revejam as atividades deste dia, pois elas foram perdidas e devem ser refeitas. Antecipadamente pedimos desculpas pelos transtornos, mas o problema foi alheio as nossas atividades.

Imagem para capa

O passado presente: as religiões mediúnicas em discussão na justiça brasileira

Adriana Gomes

Resumo


As religiões com práticas mediúnicas compreendidas genericamente como espiritismo, foram ao longo da Primeira República criminalizadas no Brasil. Há registros de diversos processos criminais que envolveram espíritas enquadrados no artigo 157 do Código Penal de 1890. Nos propusemos discutir no artigo como o sobredito dispositivo penal foi intensamente debatido no oitocentos pelos magistrados brasileiros, seja em refutação ou em apoio, sobretudo pelo legislador da norma penal do país que interpretou a prática do espiritismo como um ‘crime indígena’. Ante as dessemelhantes compreensões sobre as religiões mediúnicas, atualmente ainda persiste uma série de percepções discriminatórias no âmbito jurídico brasileiro como constatamos e analisamos na Ação Civil sentenciada em 2014, em que manifestações religiosas de matriz africana foram desrespeitadas.


Palavras-chave


Religiões Mediúnicas; Crime Indígena; Preconceito

Texto completo:

PDF (baixado




Direitos autorais 2018 Revista Espaço Acadêmico