Imagem para capa

O planejamento como prática do poder

Lucas Maia dos Santos

Resumo


Este texto visa apresentar uma leitura crítica acerca da prática de planejamento. Não é um esboço histórico, mas tão-somente uma interpretação do planejamento e como este está inserido na lógica de reprodução da sociedade capitalista. Argumenta para tanto que a prática de planejamento é realizada pela instituição estatal. Esta é um produto genuíno das sociedades de classes. O próprio estado tem como base social uma classe específica: a burocracia. Esta defende, dentro dos quadros da sociedade capitalista, os interesses gerais da burguesia, por mais que possa dentro de dadas circunstâncias sociais específicas opor-se a frações da burguesia, mas nunca aos interesses gerais de classe da burguesia. Defendemos que o poder é uma relação de dominação. Como tal, o planejamento é desta maneira uma manifestação da dominação de classe através da regulação do estado. A instituição estatal é desta forma responsável tanto por regularizar a prática do planejamento, quanto em muitos casos executar os planos ela própria. Assim, defende-se neste texto a necessidade de se superar as relações sociais que engendram o planejamento viabilizado pelo estado. Suprime-se assim o próprio planejamento.


Palavras-chave


planejamento; poder; estado; burocracia; relações de dominação

Texto completo:

PDF (baixado




Direitos autorais