ADOLESCÊNCIA EM DEBATE: CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS À LUZ DA PERSPECTIVA HISTÓRICO-CULTURAL

Candida de Souza, Daniele Nunes Henrique Silva

Resumo


Nos estudos sobre adolescência, percebemos que, cada vez mais, a psicologia tem sido convocada a dar respostas a questões inerentes a esta fase específica do desenvolvimento. A perspectiva histórico-cultural, proposta por Lev Semenovich Vigotski e seus seguidores, tem se apresentado enquanto importante abordagem teórica para a compreensão do humano. Assim, o presente estudo objetiva oferecer contribuições ao debate da adolescência enquanto uma categoria social e uma etapa particular do desenvolvimento cultural dos sujeitos. Desta forma, apresentam-se aqui as principais ideias do pensador russo, aliando-as a uma discussão que ainda é incipiente nos estudos da perspectiva histórico-cultural: o papel do corpo na constituição dos sujeitos. Com este ponto de partida, constroem-se argumentos que reforçam o caráter monolítico da constituição do humano, no qual mente e corpo são partes indissociáveis de uma mesma engrenagem, que se desenvolvem conjuntamente ao longo da história do sujeito, por meio das relações sociais que os indivíduos estabelecem com os elementos do meio. Aponta-se, como considerações finais, que o papel do corpo no processo de desenvolvimento do pensamento em conceitos – característica peculiar da adolescência – não pode ser negligenciado quando se propõe a compreender a constituição do psiquismo em sua totalidade.


Palavras-chave


Adolescência; psicologia histórico-cultural; desenvolvimento humano.

Texto completo:

PDF PDF (English) (baixado

Referências


Almeida, M. R., Abreu, C. B. M., & Rossler, J. H. (2011). Contribuições de Vigotski para a análise da consciência de classe. Psicologia em Estudo, 16(4), 551-560.

Bakhtin (2010). Marxismo e filosofia da linguagem. 14ed. São Paulo: Hucitec.

Basmage, D. F. A. T. (2010). Constituição do sujeito adolescente e as apropriações da internet: uma análise histórico-cultural. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Costa, M. T. M. S. (2012). O papel do corpo nas práticas de letramento: um estudo sobre as atividades criadoras na infância. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília.

Facci, M. G. D. (2010). A escola é para poucos? a positividade da escola no desenvolvimento psicológico dos alunos em uma visão vigotskiana. Psicologia Política, 10(20), 315-328.

Faroh, A. C. (2007). Cognición en el adolescente según Piaget y Vygotski. ¿ Dos caras de la misma moneda?. Boletim Academia Paulista de Psicologia, 27(2), 148-166.

Freitas, M. T. A. (2007). Uma teoria social do desenvolvimento e da aprendizagem. Revista Presença Pedagógica, 13(73).

Hall, G. S. (1904). Adolescence: Its psychology and its relations to physiology, antropology, sociology, sex, crime, religion and education. New York: D. Appelton and Company.

Iasi, M. L. (2007). Ensaios sobre consciência e emancipação. São Paulo: Expressão Popular.

Koshino, I. L. A. (2011). Vigotski: desenvolvimento do adolescente sob a perspectiva do materialismo histórico e dialético. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Londrina.

Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. (1990, 16 de julho). Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, seção 1.

Ozella, S., & Aguiar, W. M. J. (2008). Desmistificando a concepção de adolescência. Cadernos de Pesquisa, 38(133), 97-125.

Ribeiro, A. C. T., & Lourenço, A. (2003). Marcas do tempo: violência e objetivação da juventude. In P. C. P. Fraga & J. A. S. Iulianelli (Orgs.), Jovens em tempo real (pp. 19-37). Rio de Janeiro: DP&A.

Sawaia, B. B., & Silva, D. N. H. (2015). Pelo reencantamento da Psicologia: em busca da positividade epistemológica da imaginação e da emoção no desenvolvimento humano. Cad. Cedes, 35(especial), 343-360.

Sawaia, B. B. (2009). Psicologia e desigualdade social: uma reflexão sobre liberdade e transformação social. Psicologia & Sociedade, 21(3), 264-372.

Sawaia, B. B. (2014). Introdução. Exclusão ou inclusão perversa? In Sawaia, B., Wanderley, M. B., Véras, M., Jodelet, D., Paugam, S., Carreteiro, T. C., Mello, S. L. & Guareschi, P. A. (Orgs.), As artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social. (pp. 7-16). 14 ed. Petrópolis: Vozes.

Silva, D. N. H., & Souza, C. (2015). O justiceiro e o menino: educação ou criminalização da juventude? In A. F. Lima, D. C. Antunes, & M. G. A. Calegare (Orgs.), A psicologia social e os atuais desafios ético-políticos no Brasil. (pp. 277-296). Porto Alegre: ABRAPSO.

Souza, C., & Paiva, I. L. (2012). Faces da juventude brasileira: entre o ideal e o real. Estud. Psicol.(Natal), 17(3), 353-360.

Souza, F. F., & Silva, D. N. H. (2010). O corpo que brinca: recursos simbólicos na brincadeira de crianças surdas. Psicologia em Estudo, 15(4), 705-712.

Tomio, N. A. O., & Facci, M. G. D. (2009). Adolescência: uma análise a partir da Psicologia Sociohistórica. Rev. Teoria e Prática da Educação, 12(1), 89-99.

UNICEF (2011). Situação mundial da infância 2011. Adolescência, uma fase de oportunidades. New York: UNICEF.

Vigotski, L. S. (1984/2014). Obras escogidas. Tomo IV. Madrid: A. Machado Libros S.A.

Vigotski, L. S. (1986/2014). La imaginación y el arte en la infancia. 11 ed. Madrid: Ediciones Akal S. A.

Vigotski, L. S. (2000). A Construção do Pensamento e da Linguagem. São Paulo: Martins Fontes.

Vigotski, L. S. (2009). Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico. (apresentação e comentários Ana Luiza Smolka). São Paulo: Ática.




DOI: http://dx.doi.org/10.4025/psicolestud.v23i0.35751

ISSN 1413-7372 (impressa) e ISSN 1807-0329 (on-line). Avaliada pela CAPES/ANPEPP como A1

 

Resultado de imagem para CC BY