O TRABALHO COMO ATIVIDADE PRINCIPAL NO DESENVOLVIMENTO PSÍQUICO DO INDIVÍDUO ADULTO

Camila Fernanda Moro Rios, João Henrique Rossler

Resumo


Este artigo visa analisar, por meio da revisão teórica de autores clássicos e contemporâneos da psicologia histórico-cultural, o trabalho como atividade principal na vida adulta, isto é, como a atividade que orienta as principais mudanças no psiquismo humano e na personalidade nessa idade. Para tanto, abstrai e generaliza elementos constantes nos estudos sobre periodização do desenvolvimento psíquico humano. Por um lado, identifica os conteúdos e processos psicológicos que, produzidos pelo trabalho, evidenciam sua relevância para o desenvolvimento do indivíduo adulto. Por outro, aborda os processos de alienação inerentes à sociedade capitalista, que alienam o trabalho como atividade principal. Assim, o trabalho se apresenta, dialeticamente, como atividade humanizadora e alienada. Entende-se que este estudo contribui para o avanço teórico-metodológico da psicologia histórico-cultural por abordar a questão do trabalho como atividade principal, uma discussão que se encontra ainda incipiente e pouco sistematizada. Além disso, supera o enfoque dos estudos sobre o desenvolvimento centrados na infância e reitera o rompimento com a perspectiva maturacionista de que a vida adulta é um período de estagnação do desenvolvimento. Pela análise do trabalho como atividade principal conclui-se que o desenvolvimento psicológico, produzido na vida adulta, se expressa, principalmente, por uma série de aquisições de habilidades e capacidades, pelo exercício da criatividade, por uma complexa reestruturação da esfera afetivo-motivacional da personalidade, pelo desenvolvimento da autoconsciência e pelo movimento dialético da consciência de classe, que tensiona a contradição entre o polo humanizador e o polo alienado/alienante do trabalho numa sociedade que limita e empobrece esse mesmo desenvolvimento.


Palavras-chave


Trabalho; desenvolvimento do adulto; psicologia histórico-cultural.

Texto completo:

PDF PDF (English) (baixado

Referências


Almeida, M. R. (2008). A relação entre a consciência individual e a consciência de classe: uma análise das contribuições de Vigotski sobre a consciência da classe trabalhadora. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Bulhões, L., & Abrantes, A. A. (2016). Idade adulta e o desenvolvimento psíquico na sociedade de classes: juventude e trabalho. In Martins, L. M., Abrantes, A. A., & Facci, M. G. D. (Orgs.). Periodização histórico-cultural do desenvolvimento psíquico: do nascimento à velhice (pp. 267-292). Campinas: Autores Associados.

Calve, T. M. (2013). Trabalho, aprendizagem e desenvolvimento na Educação de Jovens e Adultos: contribuições da Psicologia Histórico-Cultural. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Elkonin, D. B. (1960). Desarrollo psíquico de los niños. In Smirnov, A. A., Rubinstein, S. L., Leontiev, A. N., & Tieplov, B. M. (Orgs.). Psicología (pp. 493-559). México: Grijalbo.

El'konin, D. B. (2000). Toward the problem of mental development of children. Recuperado em 23 de outubro, 2016, de https://www.marxists.org/archive/elkonin/works/1971/stages.htm.

Leontiev, A. N. (1978). Actividad, Conciencia y personalidad. Buenos Aires: Ciencias del Hombre.

Leontiev, A. N. (1988). Uma contribuição à teoria do desenvolvimento da psique infantil. In Vigotskii, L. S., Luria, A. R., & Leontiev, A. N. (Orgs.). Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem (pp. 59-83). São Paulo: Ícone.

Leontiev, A. N. (2004). O desenvolvimento do psiquismo (2a ed.). São Paulo: Centauro.

Lessa, S. (1992). Lukács: trabalho, objetivação, alienação. In Trans/Form/Ação, 15, 39-51.

Lessa, S. (2015). Para compreender a ontologia de Lukács (4a ed.). São Paulo: Instituto Lukács.

Malaguty, S. (2013). Sofrimento pelo trabalho: contribuições a partir da teoria da atividade de A. N. Leontiev para o campo saúde do trabalhador. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Martins, L. M. (2001). Análise sócio-histórica do processo de personalização de professores. Tese de Doutorado, Universidade Estadual Paulista, Marília.

Martins, L. M. (2005). Psicologia Sócio-Histórica: o fazer científico. In Abrantes, A. A., Silva, N. R., & Martins, S. T. F. Método Histórico-Social na Psicologia Social (pp. 118-138). Petrópolis: Vozes.

Martins, L. M. (2009). A personalidade do professor e a atividade educativa. In Facci, M.G.D., Tuleski, S.C., & Barroco, S.M.S. (Org.). Escola de Vigotski: contribuições para a psicologia e educação (Vol. 1, pp. 135-150). Maringá: EDUEM.

Martins, L. M., Abrantes, A. A., & Facci, M. G. D. (2016). Periodização histórico-cultural do desenvolvimento psíquico: do nascimento à velhice. Campinas: Autores Associados.

Martins, L. M., & Carvalho, B. (2016, outubro/dezembro). A atividade humana como unidade afetivo-cognitiva: um enfoque histórico-cultural. In Psicologia em Estudo, 21 (4), 699-710.

Martins, L. M., & Eidt, N. M. (2010, outubro/dezembro). Trabalho e Atividade: categorias de análise na Psicologia Histórico-Cultural do Desenvolvimento. In Psicologia em Estudo, 15 (4), 675-683.

Marx, K. & Engels, F. (2011). Textos sobre Educação e Ensino. Campinas: Navegando.

Palangana, I. C. (1998). Individualidade: afirmação e negação na sociedade capitalista. São Paulo: EDUC.

Pasqualini, J. C. (2009, janeiro/março). A perspectiva histórico-dialética da periodização do desenvolvimento infantil. Psicologia em estudo, 14(1), 31-40.

Reis, C. W. (2011). A atividade principal e a velhice: contribuições da Psicologia Histórico-Cultural. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Maringá, Maringá.

Rossler, J. H. (2004, abril). O desenvolvimento do psiquismo na vida cotidiana: aproximações entre a psicologia de Alexis N. Leontiev e a teoria da vida cotidiana de Agnes Heller. In Cad. Cedes, 24(62), 100-116.

Rubinstein, J. L. (1978). El trabajo. In Rubinstein, J. L. Princípios de psicologia general (pp. 626-643). México, Grijalbo.

Soler, V. T. (2012). Considerações sobre o papel dos programas televisivos infantis na brincadeira da criança e no desenvolvimento do psiquismo infantil. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Vázquez, A.S. (1977). Filosofia da práxis. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Veresov, N. (2006). Leading Activity in Developmental Psychology: Concept and Principle. Journal of Russian and East European Psychology, 44(5), 7-25. doi: 10.2753/RPO1061-0405440501

Vigotski, L. S (1999). Sobre os sistemas psicológicos. In Vigotski, L. S. Teoria e método em psicologia (pp. 103-135). São Paulo: Martins Fontes.

Vygotsky, L. S. (1988). A formação social da mente (2a ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Vygotsky, L. S. (1996). Obras Escogidas (Tomo IV). Madrid: Visor.

Vygotsky, L. S. (2004). A transformação socialista do homem. Recuperado em 23 de outubro, 2016, de https://www.marxists.org/portugues/vygotsky/1930/mes/transformacao.htm.




DOI: http://dx.doi.org/10.4025/psicolestud.v22i4.37465

ISSN 1413-7372 (impressa) e ISSN 1807-0329 (on-line). Avaliada pela CAPES/ANPEPP como A1

 

Resultado de imagem para CC BY