O currículo do curso de Ciências Contábeis no Brasil e em Portugal: aproximações e distanciamentos

Marli Auxiliadora Silva, Armindo Quillici Neto

Resumo


Investigou-se, neste estudo, as concepções e tendências relativas ao currículo do curso superior de Ciências Contábeis no Brasil e em Portugal. Trata-se de um estudo comparado que, inserindo-se nos campos da História do Ensino Superior e da História das Instituições Escolares, teve como foco a categoria currículo dos cursos de contabilidade em duas instituições, uma brasileira e uma portuguesa: a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP) e o Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa (ISCAL). O recorte temporal abrange o período de 1940 a 1985. No Brasil, a regulamentação e a inclusão do ensino de contabilidade em nível superior datam de 1945, sendo a FEA-USP, a precursora desse ensino desde 1946. Em Portugal, o ISCAL foi a primeira instituição a ministrar, em 1975, o bacharelato em contabilidade, quando o curso de contabilista foi reestruturado em nível superior. Conclui-se que o currículo escrito era o instrumento para a disseminação do conteúdo e também para a formação profissional nos moldes exigidos pela cultura capitalista vigente. Em ambas as instituições, o currículo adotado nos anos iniciais reflete determinações legais e influências políticas e econômicas. A partir da década de 1970, em ambas as IES, a concepção de ensino – derivada do currículo baseado na escola norte-americana – apresenta a tendência reprodutivista e tecnicista que marca, em nível mundial, o ensino de contabilidade.


Palavras-chave


Currículo; Ensino superior; Ciências Contábeis; Formação profissional.

Texto completo:

PDF PDF (English) (baixado

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Resultado de imagem para CC BY