Elite maçônica e as escolas da Loja Sete de Setembro na revista A Maçonaria no Estado de São Paulo (1912-1932)

Ivanilson Bezerra da Silva, Bruno Bontempi Júnior

Resumo


Este artigo explora o caráter elitista da maçonaria, enfatizando o lugar da educação em seu ideário e prática como uma estratégia de distinção social e acumulação de capital de uso interno. Tomando como categoria de análise a noção de elite, elabora uma prosopografia de expoentes maçons entre 1912 e 1932, apontando a natureza e o volume dos capitais que perfazem um perfil comum, e examina, à luz da sociologia de Bourdieu, a proposta e a experiência das escolas da Loja Sete de Setembro, destinadas às crianças pobres, filhos de operários e estrangeiros. Os dados biográficos e as informações sobre a escola provêm da publicação A Maçonaria no Estado de São Paulo (1912-1932). Conclui-se que nas mais altas posições na hierarquia maçônica encontram-se detentores de significativos capitais econômicos, sociais, políticos, indicando haver homologia e reconversões entre os campos; que o empenho na instrução das classes subalternas respondia a exigências filantrópicas do grupo, revertendo em prestígio e distinção para promotores individuais e para a própria maçonaria.

Palavras-chave


elite; maçonaria; educação; A Maçonaria no Estado de São Paulo; Loja Sete de Setembro

Texto completo:

PDF (baixado

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Resultado de imagem para CC BY