Missão de estudos ao Uruguai: mudanças no sistema de ensino do Rio Grande do Sul (1913-1927)

Caroline Braga Michel

Resumo


Este artigo aborda a missão de estudos enviada ao Uruguai, nos anos de 1913 e 1914, que foi organizada pelas autoridades do Rio Grande do Sul com o intuito de qualificar e de reorganizar o sistema de ensino público do Estado. A pesquisa que resultou neste artigo compreendeu um corpus documental amplo, constituído por fontes do Uruguai e do Rio Grande do Sul do período de 1913 a 1927. A análise permitiu evidenciar que a missão de estudos inspirou e legitimou mudanças, especialmente no que diz respeito a aspectos didático-pedagógicos e da cultura material escolar do ensino primário, na formação de professores, bem como colocou em circulação uma nova concepção para o ensino da leitura e da escrita, principalmente em razão da adaptação da obra didática Queres Ler?

Palavras-chave


missão educacional; formação de professores; Queres Ler?

Texto completo:

PDF (baixado

Referências


Referências

ARAÚJO, R. M. M. (2010). Benecdita Valladares Ribeiro (1905-1989): Formação e atuação. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo. São Paulo.

ARCE, A. (2014). A pedagogia na “era das revoluções”: uma análise do pensamento de Pestalozzi e Froebel. Campinas, SP: Autores Associados.

ARRIADA, E.; TAMBARA, E. (2013). Uma missão pedagógica ao Uruguai: Aprendizagem, métodos, princípios. In: 19ª Encontro da Associação Sul-Riograndense de Pesquisadores em História da Educação ASPHE, (p.770-782), Pelotas, RS.

BASTOS, M. H. C. (1997, Abril). A instrução pública e o ensino mútuo no Brasil. Revista História da Educação, Pelotas, v. 1. 115-133.

___________________(2011, Janeiro/junho). Independências e Educação na América Latina: As experiências Lancasterianas no século XIX. Cadernos de História da Educação, v. 10, n. 1. 137-150.

BEISER, A. C. P. (1997). Educação e educadores em Porto Alegre: um estudo de caso. (Dissertação de Mestrado). Pontíficia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

CARDOSO, S. F. (2011). Viajar é inventar o futuro: narrativas de formação e o ideário educacional brasileiro nos diários e relatórios de Anísio Teixeira em viagem à Europa e aos Estados Unidos (1925-1927). (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

CARTA. (1914). Carta do Cônsul uruguaio V. M. Carrió ao Presidente Borges de Medeiros. 25 de janeiro.

CARVALHO, M. M. C. (2015). Reformas da Instrução Pública. In: LOPES, E. M. T.; FARIA FILHO, L. M. D.; VEIGA, C. G. 500 anos de Educação no Brasil. 5ª. ed. Belo Horizonte: Autêntica. 225-252.

____________________________. (2001). A caixa de utensílios, o tratado e a biblioteca: pedagogia e práticas de leitura de professores. In: VIDAL, D. G.; HISDORF, M. L. (Orgs.) Brasil 500 anos: tópicos de história da educação. São Paulo: Edusp. 137-167.

CERTEAU, M. D. (2014). A invenção do cotidiano. 22ª ed. Rio de Janeiro: Vozes.

CHARTIER, R. (2003). Formas e sentido. Cultura escrita: entre distinção e apropriação. Trad. Maria de Lourdes Meirelles Matendo. Campinas, SP: Mercado de Letras (Coleção História da Leitura).

CHAMON, C. S. (2005). Maria Guilhermina Loureiro de Andrade: a trajetória profissional de uma educadora (1869-1913). (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

CORSETTI, B. (1998). Controle e Ufanismo: A escola pública no Rio Grande do Sul (1889-1930). (Tese de Doutorado) Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

DILL, A. C. (1984). Diretrizes Educacionais do Governo de Antônio Borges de Medeiros (1898-1928). (Dissertação de Mestrado). Pontíficia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

FELGUEIRAS, M. L. (2005, Janeiro/abril). Materialidade da cultura escolar. A importância da museologia na conservação/comunicação da herança educativa. Pro-prosições, v. 16. p. 87- 102.

FONSECA, N. M. L. (2010). Alda Lodi, entre Belo Horizonte e Nova Iorque: um estudo sobre formação e atuação docentes (1912-1932). (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

GIL, N.; HAWAT, J. (2015, Maio/Agosto). O tempo, a idade e a permanência na escola: um estudo a partir dos livros de matrícula (RIO GRANDE DO SUL, 1895-1919). Revista História da Educação, Porto Alegre, v. 19, n. 46. 19-40.

GIOLO, J. (1997). Estado, Igreja e Educação no RS da Primeira República. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

GONÇALVES, D. P. (2013). A instrução pública, a educação da mulher e a formação de professores nos jornais partidários de Porto Alegre/RS (1869-1937). (Tese de Doutorado). Pontíficia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

GONDRA, J. G.(2010, Janeiro/abril). Apresentação. Dossiê Viagens de educadores, circulação e produção de modelos pedagógicos. Revista Brasileira de História em Educação, Campinas, v. 10. 13-16. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/rbhe/issue/view/1466/showToc

IANNI. O. (2003). A metáfora da viagem. Enigmas da modernidade-mundo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

AUTOR (2017). Título. (Tese de Doutorado).Universidade Federal xxxx.

MONTEVIDEO. (1904). Anales de Instrucción Primaria. Ano I. Tomo I. Abril-Diciembro, 1903. Montevideo: Talleres Gráficos A. Barreiro y Ramos.

MONTEVIDEO. (1914, Março). El Dia. Consultado no Parlamento del Uruguay.

MONTEVIDEO. (1913, Setembro). La Razon. Consultado na Biblioteca Nacional de Montevidéu.

NÓVOA, A.; SCHRIEWER, J. (2000). A difusão mundial da escola - alunos, professores, currículo, pedagogia. Lisboa: EDUCA.

PERES, E. (1999, Outubro). A produção e o uso de livros de leitura no Rio Grande do Sul: Queres ler? e Quero ler . Revista da ASPHE, Porto Alegre, v. 3, n. 6, 89-103.

RIO GRANDE DO SUL. (1900-1928). A Federação. Porto Alegre. Disponível em: . Acesso em: 04 jan. 2017.

RIO GRANDE DO SUL. (1913). Correio do Povo. Porto Alegre. Consultado na Sede do Correio do Povo em Porto Alegre/RS.

RIO GRANDE DO SUL. (1916). Decreto nº 2.224 de 29 de novembro de 1916. Provê sobre o ensino elementar e complementar ministrado pelo Estado.

RIO GRANDE DO SUL. (1917). Mensagem enviada a Assembléa dos Representantes do Estado do Rio Grande do Sul, pelo Presidente Borges de Medeiros, em 1917. Porto Alegre: Officinas graphicas d’ “A Federação”.

RIO GRANDE DO SUL. (1907). Relatório da Secretaria de Estado dos Negócios do Interior e Exterior apresentado ao Sr. Dr. Carlos Barbosa Gonçalves. Presidente do Estado do Rio Grande do Sul. Pelo Dr. Protásio Antonio Alves. Secretário de Estado dos Negócios do Interior e Exterior. Off. Grap. da Casa de Correção, Porto Alegre.

RIO GRANDE DO SUL. (1914). Relatório de Viagem. Anexo ao Relatório apresentado ao Sr. Dr. A. A. Borges de Medeiros. Presidente do Estado do Rio Grande do Sul. Pelo Dr. Protásio Antonio Alves. Secretário de Estado dos Negócios do Interior e Exterior. Off. Grap. da Casa de Correção, Porto Alegre.

SOUZA, R. F. (2011, Janeiro/Abril). O "Bandeirismo Paulista no ensino" e a modernização da escola primária no Brasil: entre a memória e a História. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v. 20. 123-143.

TRINDADE, I. (2001) A invenção de uma nova ordem para as cartilhas: ser maternal, nacional e mestra: queres ler?. (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

VALDEMARIN, V. T. (2004). Estudando as Lições de Coisas: análise dos fundamentos filosóficos do Método de Ensino Intuitivo. (Coleção Educação Contemporânea). Campinas: São Paulo - Autores Associados.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Resultado de imagem para CC BY