O governamento dos sujeitos infantis masculinos: instruções modelares para um menino cristão em um manual de civilidade português do final do século XVIII

Fernando Cezar Ripe, Giana Lange do Amaral

Resumo


Este artigo analisa os discursos sobre o ensino de civilidade para a rotina da infância masculina, presentes na obra Escola de politica ou tractado pratico da civilidade portugueza (1786), de autoria do padre português João da Nossa Senhora da Porta Siqueira (17??-1797). No final do século XVIII, a circulação de impressos que enunciavam a modelação de uma imagem específica para o sujeito infantil ganhou centralidade na cultura impressa portuguesa. Aproblemática teórica está fundamentada na categoria 'governamentalidade', com a finalidade de estabelecer bases enunciativas sobre as práticas de subjetivação, que constituíram a população infantil masculina de uma época. Defende-se, assim, que a relação discursiva acerca do infantil civilizado seguiu um conjunto de regras normativas sobre a urbanidade cristã, a boa aparência com o corpo e da polidez no trato social.

Palavras-chave


Infância; Civilidade; Governamentalidade; Portugal; Século XVIII

Texto completo:

PDF (baixado

Referências


Fontes

Bluteau, R. (1728). Vocabulario Portuguez & Latino. [Vol. II e VI]. Coimbra: No Collegio das Artes da Companhia de Jesus.

Carta Régia de 6 de novembro de 1772. Disponível em: http://iuslusitaniea.fcsh.unl.pt/ Acesso: 12 de janeiro de 2018.

Methodo de ser feliz, ou catecismo de moral, especialmente para uso da mocidade. Comprehendendo os deveres do Homem, e do Cidadão, de qualquer Religião, e de qualquer Nação que seja. (1787). Traduzido do fracês por G. E. P. Coimbra: Real Imprensa da Universidade.

Prèvost, A. F. (1788). Elementos da civilidade, e da decencia, que se practica entre a gente de bem. Composta na língua franceza por Mr. Prevost; e traduzido na língua portugueza por Jozé Vicente Rodrigues. Lisboa: na Offic. de Antonio Gomes.

Silva, A. M. (1813). Diccionario de Lingua Portugueza recopliado dos Voabularios Impressos ate agora, e nesta segunda edição novamente emendado e muito acrescentado. 2ª edição. Lisboa: Typ. Lacerdiana.

Siqueira, J. N. S. P. (1786 [1791]). Escola de Politica, ou Tractado Pratico da Civilidade Portugueza. Com as regras, e exemplos do Estylo Epistolar em todo o gênero de cartas. Acrescentado novamente com o retrato do Homem Honrado, e virtuoso, para servir de modelo, e norma á Mocidade. Porto: Offic. de Antonio Alvarez Ribeiro.

Referências bibliográficas

Adão, Á. (1997). Estado Absoluto e ensino das primeiras letras. As Escolas Régias (1772-1794). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Algranti, L. M. (2014). Educação de meninas na América portuguesa: das instituições de reclusão à vida em sociedade (séculos XVIII e início do XIX). Revista de História Regional 19(2): 282-297.

Amatuzzi, R. T. S. (2013). Educação como herança: os manuais de instrução para nobres portugueses no final do século XVIII, uma análise da carta do padre Francisco Luís Leal para o 2º Conde da Ega. In: Anais. VII Congresso Internacional de História. Maringá: UEM. Disponível em: http://www.cih.uem.br/anais/2013/trabalhos/57_trabalho.pdf Acessado em: 23/12/2014.

Araújo, A. C. (2017). Leituras e práticas de civilidade em Portugal no século XVIII. In: Fleck, E. C. D. & Dillmann, M. (orgs.). Escritas e leituras: temas, fontes e objetos na Iberoamérica século XVI-XIX. Coleção Estudos Históricos Latino-Americanos. São Lepoldo: Oikos; Editora Unisinos, p. 271-294.

Araújo, A. C. (2014). Cultivar a razão, educar e civilizar os povos: a filosofia das Luzes no mundo Português. Revista de História Regional 19(2): 263-281.

Câmara, M. A. T. G. (2002). Modelos de civilidade na Europa de setecentos: práticas receptivas em Portugal. Discursos: língua, cultura e sociedade, v. 3, n. 4, p. 117-136.

Elias, N. (1994). O processo civilizador. Uma história dos costumes (vol.1). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Ferreira, A. G. (2009). Educação e regras de convivência e de bom comportamento nos séculos XVIII e XIX. História da Educação, ASPHE/FaE/UFPel, Pelotas, v. 13, n. 29 p. 9-28, Set/Dez.

Fonseca, T. N. L. (2009). Letras, ofícios e bons costumes: civilidade, ordem e sociabilidade na América Portuguesa. Belo Horizonte: Autêntica.

Foucault, M. (2014). Ditos e escritos Vol. I. Problematização do sujeito: psicologia, psiquiatria e psicanálise. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2014.

Foucault, M. (2008a). Segurança, território e população. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

Foucault, M. (2008b). O nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

Foucault, M. (2002a). Os anormais. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2002b). Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes.

Rainho, M. C. T. (1995). A distinção e suas normas: leituras e leitores dos manuais de etiqueta e civilidade – Rio de Janeiro, século XIX. Acervo. v. 8, n.1-2, Rio de Janeiro, p. 139-152.

Santos, G. P. (2015). Discursos sobre a civilidade e produção de subjetividades em manuais portugueses dos séculos XVIII-XIX. Araraquara: Unesp, 2015, 173 f. Tese (Doutorado em Linguística). Programa de Pós-graduação em Linguística e Língua Portuguesa da Faculdade de Ciências e Letras, Unesp, Araraquara.

Veiga-Neto, A. (2015). Por que governar a infância? In: RESENDE, Haroldo (org.). Michel Foucault: o governo da infância. Belo Horizonte: Autêntica, p. 49-56.

Vigarello, G. (2004). História da beleza. Lisboa: Teorema.

Vigarello, G. (1996). O limpo e o sujo: uma história de higiene corporal. São Paulo: Martins Fontes.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Resultado de imagem para CC BY