Para além das prendas domésticas: a trajetória da mestra Benedita da Trindade no magistério feminino paulista

Fabiana Garcia Munhoz

Resumo


Após a lei de 15 de outubro de 1827, que inaugurava as aulas públicas para meninas, foi realizado, em São Paulo, em abril de 1828, o primeiro concurso para uma cadeira feminina na província. Benedita da Trindade do Lado de Christo foi a aprovada e se tornou a primeira professora pública paulista, ocupando a cadeira da Sé. A mestra lecionou até 1859, aposentando-se após 32 anos na docência. Esta investigação retoma a sua trajetória para problematizar a presença e ausência das prendas domésticas no magistério feminino paulista. Numa perspectiva micro-histórica, persegue-se o ‘fio do nome’ da mestra e tecem-se interpretações sobre suas experiências. As fontes são a legislação da instrução pública, os manuscritos do Arquivo Público do Estado de São Paulo, atas da câmara de vereadores de São Paulo e as notas publicadas sobre magistério feminino nos periódicos da província, disponíveis na Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional, cobrindo o período entre as décadas de 1820-1875.

Palavras-chave


história da educação; professora; educação da mulher; Brasil Império

Texto completo:

PDF PDF (English) (baixado

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Resultado de imagem para CC BY