Desempenho do jundiá, Rhamdia quelen, e do dourado, Salminus brasiliensis, em viveiros de terra na região sul do Brasil - DOI: 10.4025/actascianimsci.v26i3.1806

Débora Machado Fracalossi, Gustavo Meyer, Fábio Mazzoti Santamaria, Marcos Weingartner, Evoy Zaniboni Filho

Resumo


Este estudo teve como objetivo principal avaliar o potencial do jundiá, Rhamdia quelen, e do dourado, Salminus brasiliensis, para exploração em aqüicultura no Sul do Brasil. Para tanto, a velocidade de crescimento, conversão alimentar, diferença de crescimento entre machos e fêmeas, resistência ao manejo e sobrevivência destas espécies foram avaliadas. Alevinos destas duas espécies foram estocados em viveiros de terra, em dois municípios de Santa Catarina: Santo Amaro da Imperatriz (SA) e São Carlos (SC). Estes foram alimentados com dietas comerciais, duas vezes ao dia, até a saciedade aparente. Após 365 (jundiás) e 605 (dourados) dias, os jundiás apresentaram um ganho em peso diário (GPD) de 1,00g e 1,97g e conversão alimentar de 1,85 e 1,78, em SA e SC, respectivamente, enquanto os dourados um GPD de 0,46g e 0,51g e conversão de 3,52 e 3,82, em SA e SC, respectivamente. Em SA, foram detectadas diferenças em GPD, fator de condição e índice gônado-somático entre machos e fêmeas. Fatores como densidade de estocagem, tamanho de viveiro e proporção sexual são discutidos para as duas espécies.

Palavras-chave


Rhamdia quelen; Salminus brasiliensis; desempenho em viveiros de terra

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascianimsci.v26i3.1806



ISSN 1806-2636 (impresso) e ISSN 1807-8672 (on-line) e-mail: actaanim@uem.br