Estimativa das máximas pistas de vento no reservatório da barragem de Ilha Solteira, Estado de São Paulo - DOI: 10.4025/actascitechnol.v29i1.112

Marcelo Marques, Geraldo de Freitas Maciel, Milton Dall'Aglio Sobrinho

Resumo


Grande parte dos métodos empregados na estimativa da altura de ondas, geradas pela ação do vento, necessita da determinação do comprimento da pista sobre a qual o vento atua. A escolha do método depende da natureza do corpo de água, podendo ser aplicável a áreas oceânicas ou a corpos d’água interiores, como baías, lagos e reservatórios. Uma das soluções rotineiras tem sido a aplicação direta do método validado em águas oceânicas para águas interiores sem levar, portanto, em consideração, o efeito de restrição oferecido pelas margens. Não obstante, a excessiva quantidade de operações do método aplicado a corpos de água interiores (onde a margem é condição de restrição), pode, se não usado uma base gráfica suficientemente precisa da margem acrescido da subjetividade do operador, não assegurar um grau de precisão satisfatório. Assim exposto, esta comunicação científica traz à luz esta discussão, propondo uma solução clássica baseada na aplicação do método adequado a águas interiores (Saville et al., 1954), via processamento automatizado. Para tanto, foi desenvolvido um programa em linguagem computacional AutoLISP. A aplicação do programa determinou as máximas pistas de vento no reservatório da barragem de Ilha Solteira, Estado de São Paulo, como estando entre 9,5 e 12,5 km, contrariamente a um estudo anterior que havia previsto pistas bem superiores (fator da ordem de 3).

Palavras-chave


onda; pista de vento; onda em lago

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascitechnol.v29i1.112





ISSN 1806-2563 (impresso) e ISSN 1807-8664 (on-line) e-mail: actatech@uem.br

  

Resultado de imagem para CC BY