A aplicação da teoria marxista de Estado na interpretação do golpe militar de 1º de abril de 1964 - DOI: 10.4025/actascihumansoc.v28i2.154

Nilson Nobuaki Yamauti

Resumo


Expomos neste artigo o relato do processo histórico que redundou na deposição do presidente João Goulart no dia 1º de abril de 1964. A preocupação em observar a cronologia dos fatos é o procedimento metodológico que orienta este relato. Em termos factuais, pretende-se construir uma interpretação para as seguintes questões: se o presidente da República dispunha do controle das Forças Armadas e dos sindicatos por que foi deposto sem manifestar qualquer reação? A deposição do chefe de Estado decorreu de sua intenção de realizar reformas estruturais com o apoio da classe trabalhadora? Em termos teóricos, pretende-se verificar se foi o caráter burguês do Estado que inviabilizou um governo apoiado por sindicatos e por um partido de base operária confinado à ilegalidade. Com base na teoria marxista de Estado, concluímos que Goulart foi deposto por não considerar a distinção entre política institucional e política revolucionária.

Palavras-chave


Teoria marxista de Estado; golpe de Estado; golpe militar de 1º de abril de 1964; governo João Goulart; Ciência Política

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascihumansoc.v28i2.154





ISSN 1983-4675 (impresso) e 1983-4683 (on-line) e-mail: actahuman@uem.br

  

Resultado de imagem para CC BY