Multirresistência bacteriana: a vivência de pacientes internados em hospital-escola do município de Londrina, Paraná - doi: 10.4025/cienccuidsaude.v9i1.7178

Hellen Geremias dos Santos, Christiane Iamachita Lima dos Santos, Dolores Ferreira de Melo Lopes, Renata Aparecida Belei

Resumo


Para compreender a experiência vivenciada pelo paciente portador de microrganismo multirresistente (MR) submetido à rotina de isolamento e precauções de contato no ambiente hospitalar foi realizada uma pesquisa qualitativa na qual foram entrevistados oito pacientes portadores de MR internados nas enfermarias de isolamento das unidades masculina e feminina do Hospital Universitário de Londrina em novembro e dezembro de 2008. Utilizou-se a entrevista semiestruturada para a coleta de dados e, para a análise dos discursos, o referencial de análise preconizado por Bardin, surgindo três categorias: “Recebendo explicações sobre ser portador de MR e a necessidade de isolamento”; “Expressando sua percepção sobre como se transmite o MR”; e “Verbalizando os sentimentos ante os cuidados diferenciados”. Os pacientes relataram ter recebido informações superficiais sobre sua condição de multirresistência e referiram dúvidas sobre a transmissão de MR e a necessidade de isolamento. Eles perceberam os procedimentos diferenciados, aos quais alguns entrevistados associaram sentimentos de discriminação, diminuição da autoestima e medo. Conclui-se que é necessário supervisionar práticas que possam veicular MR, assim como esclarecer o paciente sobre a rotina diante do diagnóstico de multirresistência bacteriana, para que haja compreensão e colaboração nos cuidados a ele prestados durante a internação.

Palavras-chave


Pesquisa Qualitativa; Pacientes Internados; Infecção Hospitalar; Resistência Microbiana a Medicamentos; Precaução.

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v9i1.7178



ISSN 1677-3861 (impresso) e ISSN 1984-7513 (on-line)

 

Resultado de imagem para CC BY